Conselhos de avó.

4 10 2010

Nos últimos tempos tenho refletido muito sobre os conselhos da minha avó em relação ao meu namoro. Sempre fui uma pessoa influenciável e sendo ela uma mulher casada há 50 e tantos anos presumi que seria o mais sábio dos conselhos que eu poderia receber.

Vovó sempre me disse que para um relacionamento dar certo, a pessoa teria de gostar mais de mim do que eu dela.

No começo achei estranho, depois levei em consideração, afinal, era exatamente assim o meu namoro. Ele gostava muito mais de mim do que eu dele. E eu me achava feliz assim pois eu não tinha que fazer muito esforço para manter a relação. Tudo que eu falava era lei. Eu fazia muita coisa errada sem dar tanta importância. No fim das contas quem gostava de mim era ele, né?

E a relação seguia estável, com algumas reclamações por parte dele e tudo bem, tudo sempre era relevado.

Hoje, três anos depois, já começo achar que não é porque o casamento dela durou todo esse tempo que essa seja a melhor coisa a se fazer.

Comecei a ter a impressão de que eu estava meio que fazendo caridade. Não querendo me achar, mas… Aonde estavam meus sentimentos? Por que eu não podia me apaixonar perdidamente e ser feliz ao mesmo tempo?

Feitas essas perguntas as coisas começaram a piorar no namoro.

Eu precisava de paixão pra viver, coração acelerado, músicas românticas, frio na barriga… Coisas de gente com paixonite.

Vovó que me perdoe, mas eu estou apaixonada agora depois de terminar desse namorado.

Me restam indagações sobre o futuro. Coisas como “será que vale a pena? A paixão sempre esfria”.

Bom, mas o futuro a Deus pertence, enquanto isso, deixa a vida me levar!





o mesmo blá blá blá.

8 09 2010

“A IMPONTUALIDADE DO AMOR

Você está sozinho. Você e a torcida do Flamengo. Em frente a tevê, devora dois pacotes de Doritos enquanto espera o telefone tocar. Bem que podia ser hoje, bem que podia ser agora, um amor novinho em folha.

Trimmm! É sua mãe, quem mais poderia ser? Amor nenhum faz chamadas por telepatia. Amor não atende com hora marcada. Ele pode chegar antes do esperado e encontrar você numa fase galinha, sem disposição para relacionamentos sérios. Ele passa batido e você nem aí. Ou pode chegar tarde demais e encontrar você desiludido da vida, desconfiado, cheio de olheiras. O amor dá meia-volta, volver. Por que o amor nunca chega na hora certa?

Agora, por exemplo, que você está de banho tomado e camisa jeans. Agora que você está empregado, lavou o carro e está com grana para um cinema. Agora que você pintou o apartamento, ganhou um porta-retrato e começou a gostar de jazz. Agora que você está com o coração às moscas e morrendo de frio.

O amor aparece quando menos se espera e de onde menos se imagina. Você passa uma festa inteira hipnotizado por alguém que nem lhe enxerga, e mal repara em outro alguém que só tem olhos pra você. Ou então fica arrasado porque não foi pra praia no final de semana. Toda a sua turma está lá, azarando-se uns aos outros. Sentindo-se um ET perdido na cidade grande, você busca refúgio numa locadora de vídeo, sem prever que ali mesmo, na locadora, irá encontrar a pessoa que dará sentido a sua vida. O amor é que nem tesourinha de unhas, nunca está onde a gente pensa.

O jeito é direcionar o radar para norte, sul, leste e oeste. Seu amor pode estar no corredor de um supermercado, pode estar impaciente na fila de um banco, pode estar pechinchando numa livraria, pode estar cantarolando sozinho dentro de um carro. Pode estar aqui mesmo, no computador, dando o maior mole. O amor está em todos os lugares, você que não procura direito.

A primeira lição está dada: o amor é onipresente. Agora a segunda: mas é imprevisível. Jamais espere ouvir “eu te amo” num jantar à luz de velas, no dia dos namorados. Ou receber flores logo após a primeira transa. O amor odeia clichês. Você vai ouvir “eu te amo” numa terça-feira, às quatro da tarde, depois de uma discussão, e as flores vão chegar no dia que você tirar carteira de motorista, depois de aprovado no teste de baliza. Idealizar é sofrer. Amar é surpreender.”

Martha Medeiros.

Copia e cola? que se dane, ela disse tudo. (E juro que já procurei o amor na fila do banco.)

O vídeo não tem nada a ver com o resto. Na verdade só serve pra colocar mais suspense na vida medíocre de pessoas que como eu e Marthinha (pros chegados) que estão sentadas em frente à TV, sozinhas, esperando o telefone tocar.

PS: aumente o som. A trilha sonora que dá o ar da graça.

o/\o





Frases da turma do Charlie Brown.

26 08 2010

“Se a vida é um jogo de golfe, eu errei as últimas cinco tacadas.” (C.B)

“Quando a sua vida estiver arruinada, você deve passar uma tarde inteira debaixo de uma árvore.” (C.B)

O objetivo da escola é estudar, estudar e estudar; para ir para o segundo grau e estudar, estudar e estudar; para ir para a faculdade e estudar, estudar e estudar; para conseguir um bom emprego, constituir família e ter filhos. Filhos que vão para a escola, para estudar, estudar e estudar…” (Linus van Pelt)

“Mas o amor não existe para fazer a gente feliz?” (C.B)

“Eu gosto da humanidade. O que eu não suporto são os humanos”.
(Linus van Pelt)

“Charlie Brown, de todos os Charlie Browns do mundo, você é o mais Charlie Brown de todos!”
(Linus van Pelt)

Não falei que tô apaixonado por ela, simplesmente disse que gosto muito do chão que ela pisa…”
(Linus van Pelt)

Sabe, Linus, eu tô desenvolvendo uma nova filosofia, eu só preciso suportar um dia por vez.”
(Charlie Brown)

“Se todos concordarem comigo, todos estarão certos.”
(Lucy van Pelt)

“Eu nunca cometi um erro na minha vida. Achei que tivesse cometido uma vez, mas eu estava errada”.
(Lucy Van Pelt)


No livro da vida, as respostas não estão na parte de trás”.
(Charlie Brown)

“Minha vida não tem qualquer finalidade, sem direção, sem objetivo, não faz sentido e, no entanto, estou feliz”.
(Snoopy)

“Esse é o segredo da vida. . . Substituir uma preocupação por outra”.
(Charlie Brown)

Nenhum problema é tão grande ou tão complicado que não se possa fugir dele!”
(Linus Van Pelt)

“Ontem fui um cão. Hoje sou um cão. Amanhã provavelmente vou continuar a ser um cão. *Suspiros*. Há tão pouca esperança de avanço”.
(Snoopy)

“Tudo que você realmente precisa é amor, e um pouco de chocolate”.
(Lucy Van Pelt)

“Eu sei a resposta! A resposta está no coração de todos os homens! A resposta é doze? Acho que estou no prédio errado”.
(Lucy Van Pelt)

“Estes cinco dedos … Individualmente, eles são nada. Mas em conjunto, eles formam uma arma que é terrível!”
(Lucy Van Pelt)

“Eu estou em uma nova campanha para ser agradável para as pessoas”.
(Lucy Van Pelt)

“Eu lhe disse um milhão de vezes que os adultos são diferentes!”
(Linus Van Pelt)

“Cada geração tem de ser capaz de culpar a geração anterior para seus problemas.. Não resolve nada, mas faz se sentir melhor”.
(Lucy Van Pelt)

Eu não gosto de problemas na cabeça. Penso que a melhor maneira de resolver os problemas é evitá-los.
(Linus Van Pelt)

Linus vê uma folha caindo de uma árvore. Pára diante dela no chão e diz: você não será feliz aqui…






A Todos…

26 08 2010

A todos trato muito bem
sou cordial, educada, quase sensata,
mas nada me dá mais prazer
do que ser persona non grata
expulsa do paraiso
uma mulher sem juízo, que não se comove
com nada
cruel e refinada
que não merece ir pro céu, uma vilã de novela
mas bela, e até mesmo culta
estranha, com tantos amigos
e amada, bem vestida e respeitada
aqui entre nós
melhor que ser boazinha é não poder ser imitada.

Martha Medeiros





Existe vida após um “bolo”.

3 07 2010

“Levar um bolo” é uma coisa chata. Seria menos se eu não estivesse falando no sentido figurado da coisa…

Levar um bolo deixa a gente mal, de baixa estima, se sentindo o ó do borogodó!  E nessas horas tentamos achar uma explicação: “Será que eu disse alguma coisa que não devia? Será que ele arrumou coisa melhor pra fazer? ou pior: pessoa melhor que eu?! Foi o meu cabelo? Pode ser que sim. Acho que ele não gosta dele preso desse jeito…” Enfim, na verdade precisamos de um ombro amigo para nos dizer que a culpa não é nossa, que não fizemos nada de errado para espantar a outra pessoa e todo aquele blá blá blá de autoestima.

Pensando nisso me lembrei que nem sempre há alguém para nos aconselhar sobre essas coisas ou levantar nosso ego no momento em que mais precisamos, então descobri que na internet você consegue achar sáábios conselhos também! Até sobre o que fazer quando se leva um bolo. E como tudo que é bom deve ser propagado, vou dividir com vocês o que eu aprendi:

O que fazer quando se levar um bolo:

1- Levar a vida adiante, pois há homens de sobra por aí e se vc for ver é bem melhor do que esse trouxa que fez isso com vc!!! E tem mais, se isso aconteceu pensa pelo lado bom, talvez seja um aviso pra vc de que um melhor esta a caminho. (mimimi)

2- Liga pras amigas, vai pra balada, curta bastante e não encane com isso… (fácil falar..)

3- Partir pra outro cara. (a autoestima não ajuda)

4- Faz de conta q não ta nem aí e ainda na esnoba ele. Sai com outro pra ele ver o que perdeu. (a vingança nunca é plena. Mata a alma e envenena)

5- Leve o bolo para casa e divida-o com sua família na hora do lanche. ( um minuto para reflexão…)

6- Agora pede para ele te mandar uns salgadinhos, tanto marmanjo dando sopa e vc preocupada com um simples bolo de fubá. (faz sentido…)

7- Depende de que sabor é este bolo. Se for de sua preferência, coma-o, se não gostar dê para outra pessoa que goste. (como comê-lo se ele não apareceu? eis a questão)

8- Mostre que vc é melhor do que ele. Não esquenta com isso e NÃO vá atrás dele…
Deixe ele sentir a sua falta, e pode ter certeza q se ele gostar de vc, vai notar a sua ausência e vai te procurar. (não vá atrás dele, não vá atras dele, não vá atrás dele… tente memorizar apenas essa parte)

É, e a vida continua independente da opção que você escolher. (PS: note bem que não existe a opção 9- Escrever uma carta botando a culpa nele e em seguida cortar os pulsos).





Calando pensamentos.

2 07 2010

Sabe aquela música que você ouve e reouve (acabei de criar essa palavra) porque de de alguma forma ela te faz se sentir bem? E não importa a tradução dela. Pode xingar a mãe, pode dizer que você é um estúpido ou simplesmente falar sobre sentimentalismo barato que você aperta o play novamente e se sente melhor.

Essa é uma daquelas músicas que tenho vontade de ouvir no último volume, cantar gritando e tocando uma bateria imaginária.

Tenho a impressão de que ouço músicas assim para calar meus próprios pensamentos, se é que isso é possível.





Há dias…

17 06 2010

Há dias que se não houver o mínimo de paciência você joga tudo pro alto e desiste. “E a loucura finge que tudo isso é normal”.

Um salve aos barbitúricos.








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.